. a lesão

completaram-se hoje quatro semanas que lesionei. exatamente 28 dias. e isso foi em uma terça. curiosamente depois de fazer o melhor treino do ciclo inteiro, no sábado anterior, mais conhecido como dia do meu aniversário.

e eu estava tão feliz aquele dia.

diferente da tenossinovite dos fibulares (que tive no fim de junho e me renderam 6 semanas de tratamento), essa lesão veio sem avisar. justo na semana da prova. no dia em que resolvi “obedecer” as zonas e fazer um treino leve.

lembro de tudo claramente. foi como se eu tivesse recebido uma pedrada na parte interna da coxa, bem perto da virilha. como não me limitou o movimento, eu continuei a correr (tem gente que nunca aprende, né?) mas eu sabia que tinha algo muito errado ali. só não queria contar pra ninguém. e muito menos acreditar.

fui ter certeza logo quando cheguei em casa. com o corpo frio, eu mal conseguia ficar de pé. sentia fisgadas na virilha e na lateral da coxa. descer as escadas do prédio aquele dia foi uma experiência dolorosa e traumatizante. desci toda torta. eu sabia que não correria a maratona no domingo. aliás, eu soube disso bem antes. umas duas semanas, pra falar a verdade. me sentia ansiosa, queria que os dias passassem rápido. não estava conseguindo realizar a linha de chegada.

e foi assim que eu acabei sabotando minha mente. na segunda – já na semana da prova – acordei com dores em todos os lugares. no joelho, no tornozelo, várias dores musculares. bati o pé, deixei uma frigideira pesadassa cair no meu dedão (inclusive, ele está roxo até hoje). não consegui trabalhar direito. o colapso veio na terça, no penúltimo treino do ciclo. eu tive um estiramento grau II no Iliopsoas, o músculo da alma (isso significa um monte de coisa que conto em breve). só fui descobrir o laudo no sábado, já em Florianópolis, depois de insistir muito com a clínica pra liberar o resultado logo.

lembro que tomei remédio e parei de sentir dor. cheguei a nadar na quarta. na quinta, tentei correr, mas não saiu 1KM. depois disso, eu tive uma crise louca de ansiedade. não por saber que eu não correria mais a prova. mas por não saber exatamente o que tinha. e principalmente por meu corpo estar cansado. sim, eu havia chegado no limite. e o estiramento foi um pedido de socorro.

as dores aumentaram, tive uma lombalgia fortíssima na quinta [parecia que tinha uma chapa de aço pressionando minha coluna] e senti várias agulhadas no glúteo. mal conseguia ficar sentada.

por causa disso tudo, tive uma crise de choro horrorosa no trabalho. fiquei igual a henna do papai noel, segundo me contaram depois. me mandaram de volta pra casa. na sexta, pedi pra sair mais cedo. e eu nunca faço isso. se tem duas coisas que não burlo na vida é treino de corrida e trabalho.

só fui relaxar no sábado, depois de descobrir o que eu tinha. e principalmente: que era preciso dar um tempo pra mim, pro meu corpo, pra minha cabeça. senão, a próxima coisa a pifar seria meu psicológico. que tirando alguns problemas de ansiedade, é bem forte, viu? já tive vários motivos pra surtar na vida, mas me mantive inabalável até aqui.

depois disso tive umas semanas bem descontraídas, até me permitindo umas orgias gastronômicas e alcóolicas. fiquei mais focada ainda no trabalho, passei a escrever mais. agora, acho que estou mais introspectiva. voltando aos treinos e ao foco. estou nadando, fazendo fisio e treinando superiores. tenho dormido bastante. e até reduzi o café. está tudo muito leve, muito slow, mas é assim que tem que ser.

sigo com saudades de correr. aliás, tem feito uma falta gigantesca. sinto algumas dores, que me deixam neurada, é óbvio. tem horas que nem parece que estou lesionada. aí vem aquela esperança de já estar curada. de repente, volta um pouquinho ali ou acolá. daí, eu crio um drama e acho que tive uma recidiva. e que não vou curar nunca mais. mas é normal, sobretudo, agora que voltamos a mexer o corpitcho, né? as fibras musculares estão fracas, o corpo estava parado e tem que voltar a se acostumar, né?

então, sigamos. nada de ansiedade. tem 28 dias. nem chegaram nos 30 ainda. e a previsão são 40 dias, podendo se estender até 60. você sempre soube disso. então, seguimos com foco.

e sem olhar pra trás: eu deveria ter feito isso ou aquilo. não. tudo deveria ter acontecido do jeito que aconteceu. foi importante pra rever um monte de coisa que tava fazendo errado. e, sobretudo, pra treinar a cuca.

e pra não esquecer nunca: a ansiedade só vai tensionar ainda mais o Iliopsoas. então, como diria a marta, relaxa e goza.

17 de setembro, #sessão 6

mais uma sessão de exercício. hoje trabalhamos glúteo médio e glúteo mínimo. exercícios com fita, caneleira, alongamento para o Iliopsoas, teve até afundo.

lógico que meu glúteo sentiu. mas o que me consola é que senti menos incômodo na fisio e menos dor muscular. e, segue, o jogo.

amanhã tem treino de superiores. e natação (levinho, porque todo cuidado é pouco nessas horas).

One thought on “. a lesão

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s